Condropatia, cartilagem e artrose – Tem jeito?

IMG_1233

LESÃO DE CARTILAGEM NÃO REGENERA.

Vou na insistência como estratégia:

1 – Não é o fim do mundo.
Não necessariamente você irá evoluir para artrose, e não necessariamente para uma artrose grave, a qual seja necessária uma cirurgia de prótese.

2 – Tem prevenção?
Pergunta extremamente difícil, pois envolve diversas variáveis biomecânicas, estruturais, comportamentais e ósseas que podem ser responsáveis pelo surgimento da lesão.
Simples do simples: não engorde e você já estará se previnindo de artrose nos joelhos.

3 – E aquele remedinho?
De nada adianta para regenerar o que já foi perdido.
Se é capaz ou não de frear a progressão da lesão, isso não é consenso. Eu não afirmo.

4 – Posso andar? Posso viver?
Sim, a não ser que você aprenda a andar “plantando bananeira”, a vida irá seguir e ponto final. E dá pra ficar sem dor sim.
IMG_1122

EXERCÍCIOS QUE PIORAM O DESBALANÇO MUSCULAR CAUSADOR DA CONDROPATIA PATELAR

Algumas informações são tão importantes que deveriam ser divulgadas com todo empenho do mundo por nós, profissionais de saúde.
Bom, eu faço a minha parte e cá estãos elas:

– A CONDROPATIA PATELAR PODE EVOLUIR PARA UM QUADRO DE ARTROSE.

A lesão sempre se inicia na cartilagem articular e com o tempo pode evoluir para um desgaste articular (=artrose). No caso da condropatia, a articulação afetada seria a fêmoropatelar.

– ENTENDER A POSSÍVEL MECÂNICA CAUSADORA DA CONDROPATIA PATELAR É FUNDAMENTAL PARA CONDUZIR O TRATAMENTO.

Se o profissional não entende, não vai tratar direito. Não tratando direito, o paciente só melhora por milagre. Como os milagres não são tão frequentes assim, cada vez mais há pessoas se queixando das dores e limitações da condropatia.

– FORTALECER É O TRATAMENTO, PORÉM EXERCÍCIOS “GENÉRICOS” NÃO RESOLVEM.

E digo mais, não resolvem e podem acelerar o processo degenerativo. Fortalecer sem individualização é deixar mais forte o que já está forte, mantendo assim o desequilíbrio muscular causador da lesão na cartilagem patelar.

 

IMG_1416

CROSSFIT E CONDROPATIA PATELAR
ESSE CASAMENTO “DÁ LIGA”?
Pergunta extremamente comum!
Mas antes de ousar respondê-la entendo ser fundamental a dissecção do indivíduo que faz tal pergunta.

Certeza que não é o atleta de crossfit, que tem total prática no gesto esportivo e já adquiriu um desenvolvimento muscular equilibrado.

Geralmente quem faz tal pergunta é o indivíduo que deseja INICIAR o crossfit e sabe ser possuidor de condropatia patelar.
Para esse indivíduo, eu digo CAUTELA
É normal algumas pessoas não apreciarem a “arte de puxar ferro” numa academia, e por conseguinte, se sentem inclinadas a se aventurar por outras modalidades esportivas ou de treino.
(Veja em qual perfil você se encaixa)

Se exatamente este indivíduo apresentar uma condropatia patelar SINTOMÁTICA (com dor!), eu indicaria um fortalecimento muscular ESTÁTICO ANTES da introdução ao mundo dos boxes.

Este indivíduo por possuir uma condropatia patelar SINTOMÁTICA significa dizer que ainda apresenta algumas “deficiências musculares” que melhor seriam contornadas ANTES do aprendizado dos gestos do crossfit.

Exemplo básico:
A) Para um simples salto vertical de PLIOMETRIA numa caixa ou no burpee você precisa dos músculos quadríceps femoral, gastrocnêmio, isquiotibias e glúteos para permitir sua propulsão, além de um core para manter seu equilíbrio.
B) Bom, no portador de condropatia patelar os “déficits musculares” estão exatamente aí nesses músculos.

IMG_0535

O QUE EU FAÇO COM MEUS ESTALIDOS?
Queixa mais do que comum num consultório ortopédico.
Os estalidos realmente são motivo de pânico. Ainda mais se surgirem durante o treino.

Pois bem amigos, lhes digo:

Os estalidos são incompreendidos. Levam a má fama injustamente.

Seja nos joelhos, nos ombros, na cervical, nos cotovelos…eles podem acontecer por diversas razões, e na grande maioria das vezes NÃO representam patologia.
Por exemplo, nos joelhos o estalido pode ser proveniente simplesmente do trajeto da patela na articulação patelo-femoral.

Ficou mais tranquilo(a)?
Espero que sim.
Qual é então o possível problema dos estalidos?
1 – Se houver DOR CRÔNICA durante a mobilização articular, os estalidos podem ser provenientes de um desgaste articular (=artrose).
Conduta: visite seu ortopedista.

2 – Se não houver DOR, não se assuste. Pois o medo por si só é capaz de gerar uma CINESIOFOBIA (Traduzindo: medo de sentir dor em determinado movimento).
Isto é, você ouve o estalido, fica com medo de repetir tal movimento, passa a evitá-lo, o que pode desencadear uma rigidez articular + atrofia muscular.
Conduta: relaxe.

9 respostas para “Condropatia, cartilagem e artrose – Tem jeito?”

  1. Luis André disse:

    Gostaria de saber como está as pesquisas de células tronco para regeneração das cartilagens Articulares! Obrigado

    • Olá Luís André!

      Ótima pergunta. Ainda não há nada comprovadamente definido que indique o uso em seres humanos desse recurso de células troncos com intuito de regeneração da cartilagem. Os estudos existem mas nada consolidado.
      Outra tendência (embora controversa, pelo menos aqui no Brasil) é a utilização de fatores de crescimento, que estimulariam essa regeneração. O principal exemplo é o PRP (plasma rico em plaquetas)

      Grande abraço!

      • Luis André disse:

        Li que nos EUA já há médicos utilizando as células tronco na articulação do Quadril! Dizem ser um tratamento bem caro.

  2. Deborah disse:

    Há bons resultados em relação a melhora da dor e retorno aos exercícios físicos com a mosaicoplastia ou transplante de cartilagem autológa do joelho em pessoa com condropatia grau iv (ainda sem erosão do osso subcondral – pelo menos na rnm)? Qual a sua opinião sobre essa técnica cirúrgica?

    • Olá Deborah!

      Se a lesão não se estende até o osso subcondral, a princípio a conduta continuaria como conservadora, isto é, não cirúrgica.
      Caso haja lesão e exposição do osso subcondral, a técnica cirúrgica utilizada depende do tamanho da lesão e do nível de demanda do paciente.
      Tanto a mosaicoplastia quanto o transplante autólogo de condrócitos são opções cabíveis de técnicas cirúrigicas para casos de lesão acima de 2,5cm2 e paciente com alta demanda.

      Grande abraço!

  3. Aecio de Araújo disse:

    Quem tem comtropatia ,a corrida pode prejudicar??? Faço musculação e fortalecimento já corro a muito tempo e tenho grau 4 , tenho 52 anos e quase não entro em crise de dor …..:

    • Olá Aecio!

      Você retornou a fase assintomática (sem dor) da condropatia patelar, devido ao tratamento correto de fortalecimento muscular e provável correção das suas falhas biomecânicas.
      Levando isso em consideração, a corrida não estaria contraindicada, desde que você mantenha seu fortalecimento muscular e seja acompanhado por um profissional.

      Grande abraço!

  4. Iracema Martins da Silva disse:

    Há necessidade da interrupção de exercicios de musculação na academia?

    • Olá Iracema!

      De forma nenhuma.
      Pelo contrário, os exercícios de fortalecimento otimizam o seu arcabouço muscular, o que irá lhe garantir melhor funcionalidade, independente da lesão.
      Além disso, está bem comprovado o efeito ANALGÉSICO dos exercícios de força, principalmente os de característica isométrica.

      Grande abraço!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *